21 de Agosto de 2019, atualizado ás 09:08

Amazônia em chamas, nuvens sufocantes de fumaça. Até onde vai a destruição?



Por: | Notícias

Compartilhar:
         

Há uma semana um corredor de fumaça, resultado das queimadas na Amazônia, vem atingindo a América do Sul em peso.

No Brasil essas nuvens escuras alcançaram o Centro Oeste, o Sudeste e o Sul. Já nos países vizinhos contamos com, Argentina, Uruguai, Peru e Bolívia. Todos afetados pela fumaça das queimadas.

Amazônia em chamas, nuvens sufocantes de fumaça. Até onde vai a destruição? Daniel Beltra/Greenpeace (greenpeace.org)

Entre agosto e setembro, a temporada de seca, é comum esperar queimadas pela Amazônia, porém, a proporção que a última noticiada tomou relevou dados alarmantes para o futuro do nosso país e do planeta.

Segundo os dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), a Amazônia concentra 52,5% dos focos de queimadas em 2019 e que essas queimadas tiveram um aumento de 82%.

Sendo 71.497 mil focos de queimadas nesse ano, destes 13.641 no Mato Grosso.

LEIA TAMBÉM:

O Grande Prêmio do Cinema Brasileiro Vai para Benzinho.

HÁ ESPERANÇA. venda de livros cresce 4% no Brasil.

Todavia, no último dia 10 de agosto, foi anunciado o “Dia do Fogo” por grupos de fazendeiros no sul do Pará, na cidade de Novo Progresso. Sendo noticiado pelo jornal local.  

Então, pelas medições do Inpe, foram confirmadas o maior foco de queimadas na cidade de Novo Progresso e o município de Altamira. Voltando o olhar para os tais anunciantes das queimadas durante do “Dia do Fogo”.

São Paulo Escurece mais cedo

No último dia 19 de agosto (segunda-feira), a cidade de São Paulo e parte do Mato Grosso do Sul, e o norte do Paraná, foram atingidos pela fumaça proveniente das queimadas dos últimos dias.

Sendo mais gritante em São Paulo, que foi encoberta por uma nuvem escura e densa, que transformou o dia em noite às 15 horas da tarde.

Entretanto, Paraguai, Bolívia, Argentina e o Pero também foram afetados.

Amazônia em chamas, nuvens sufocantes de fumaça. Até onde vai a destruição? (oglobo.globo.com)

O Mato Grosso e as queimadas

Alberto Setzer, um pesquisador do Programa Queimadas do Inpe, afirma que as queimadas no Mato Grosso são comuns, mas que este ano elas aumentaram consideravelmente e o clima seco contribui para espalhar o fogo.

As notícias apresentaram uma sobrecarga no trabalho do corpo de bombeiros, que tentam conter os focos de queimadas pelos Estado.

As queimadas e a agricultura

O Ipam (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia), notificou que o fogo é comum no Cerrado e na Amazônia, mas as queimadas costumam estar diretamente relacionadas a ação humana.

Setzer ressalta que a prática de queimadas nessa proporção faz parte da expansão das fronteiras agrícolas e apesar do Cerrado ser um bioma adaptado para a ocorrência de queimadas e as ter em seu ciclo natural, a quantidade e proporção que estão ocorrendo foge do ideal para o Bioma.

As queimadas naturais do Cerrado são causadas por raios, geralmente, e são menos frequentes das que estão sendo causadas pelo homem.

Vendo do espaço as queimadas

Santiago Gasso, pesquisador da Nasa, relatou ver o evento dos corredores de fumaça proveniente das queimadas em imagens espaciais dos satélites.

A MetSul salienta ainda as consequências que eventos como esse podem gerar para o meio ambiente e o ser humano (má qualidade do ar, riscos à saúde de idosos e crianças e pessoas com doenças respiratórias, baixa qualidade de vida, impactos climáticos e nos ecossistemas).

Amazônia em chamas, nuvens sufocantes de fumaça. Até onde vai a destruição? (noticias.uol.com.br)

MetSul ainda diz que os números de queimadas em agosto estão acima da média dos últimos anos e o somatório do tempo seco com incêndios ilegais contribuem para o aumento dos focos na Amazônia.

São dias sombrios para o Brasil e para o mundo.

GMR




Anderson Gomes

Professor de Física e estudante de Engenharia Civil, gosto de uma boa música, games e, acima de tudo, estar com minha família.

  

0 Comentários