Começou nesta segunda-feira (4), os bloqueios das avenidas de São Paulo como uma forma de incentivar o isolamento social na cidade.

Ou seja, os bloqueios serão feitos nas quatro principais avenidas da cidades, abrangendo diferentes regiões, e nesta manhã já foi possível ver uma lentidão maior nas proximidades.


RELACIONADAS



Portanto, de acordo com a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), o bloqueio ocorre apenas no horário de pico da manhã, das 7h às 9h.

Veja quais bloqueios das avenidas de São Paulo estão valendo

Bloqueios das avenidas de São Paulo começam a valer nesta segunda-feira (4)
Bloqueios das avenidas de São Paulo começam a valer nesta segunda-feira (4) – Foto: LUIZ GUARNIERI/BRAZIL PHOTO PRESS.

Assim, segundo a CET, bloqueios das avenidas começam no horário de pico da manhã, com uma faixa livre para circulação. Veja abaixo quais locais fazem parte desta lista:

  • Zona Sul: Av. Moreira Guimarães x Av. Miruna;
  • Zona Norte: Av. Santos Dumont x Av. do Estado;
  • Zona Leste: Av. Radial Leste x Rua Pinhalzinho;
  • Zona Oeste: Av. Francisco Morato x Rua Sapetuba.

No mesmo horário também haverá blitzes educativas nas seguintes vias da Zona Oeste:

  • Av. Dr. Vital Brasil x R. Camargo;
  • Av. João Paulo I, altura do n° 2.868.

Portanto, essa medida tem como objetivo aumentar a taxa de isolamento social no município, que ficou em 53% na média enquanto o ideal para combater a propagação do coronavírus seria de 70%. 

Também, além dos bloqueios das avenidas de SP, a prefeitura também estipulou que passageiros e motoristas das linhas da Companhia Paulista Metropolitana de Trens (CPTM), Metrô, ônibus rodoviários, interestaduais, táxis e carros de aplicativos na cidade de São Paulo devem usar máscara de proteção.

Ou seja, só poderão entrar no transporte quem fizer uso de máscaras, e os motoristas de aplicativos já criaram um adesivo justamente para alertar os passageiros sobre a nova medida.

Com isso, a prefeitura de SP pretende fazer com que a taxa de casos de coronavírus na cidade caia, algo que não vem acontecendo nas últimas semana, onde a capital já se tornou o foco da doença no Brasil.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui