Bolsonaro afirma que “Vai ter mais”, sobre operações da PF
Ao falar da "Operação Dispneia", que teve como um dos alvos o Governador do Rio, Wilson Witzel, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que ocorrerão outras.
Joey Phillipe - 27 de Maio de 2020 às 20:29:09

Após agradecimento de um apoiador à Polícia Federal pela operação realizada nesta terça-feira (26), a qual tinha como um dos alvos o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel. O qual é adversário político de Jair Bolsonaro. O presidente afirmou que ocorrerão mais operações da PF.

“Vai ter mais. Enquanto eu for presidente, vai ter mais. Isso não é informação privilegiada, não. Vão falar que é informação privilegiada”, declarou em frente ao Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência.


RELACIONADAS



De acordo com informações do Portal Poder360, Jair Bolsonaro não falou com a imprensa, embora o aguardassem cercado, habitualmente utilizado para as entrevistas. Portanto, o presidente não tratou sobre a operação da PF realizada hoje (27/05).

Sobre esta última, o ministro do Supremo Tribunal Federal – STF, Alexandre de Moraes, encaminhou determinação para a Polícia Federal efetuasse o cumprimento de mandados de busca e apreensão. Referentes ao processo de investigação realizado pelo STF, sobre fake news. Encontram-se entre os alvos desta Operação:

  • Allan dos Santos – blogueiro do site Terça Livre
  • Douglas Garcia – deputado estadual pelo PSL-SP
  • Luciano Hang – proprietário da Havan
  • Roberto Jefferson – ex-deputado federal e presidente nacional do PTB
  • Sara Winter – blogueira

No total, foi realizado o cumprimento de 29 mandados no Distrito Federal, Rio de Janeiro, São Paulo, Mato Grosso, Paraná e em Santa Catarina.

Outra Operação da Polícia Federal
Bolsonaro afirma que “Vai ter mais”, sobre operações da PF – Foto: Uol

Ainda nesta quarta-feira (27), a Polícia Federal juntamente com outros órgãos montaram uma força-tarefa responsáveis pelo cumprimento de 61 mandados de busca e apreensão. Bem como, 15 mandados de prisão temporária, referente a suspeitas de desvio na Saúde no Rio grande do Sul.

Além disso, o inquérito conta com 129 medidas judiciais, envolvendo, inclusive, arresto/sequestro de bens móveis e imóveis, valores bloqueados oriundos de depósitos em contas dos investigados e de empresas. Bem como, afastamento cautelar de cargos ocupados por cinco servidores públicos municipais.

“A investigação apura crimes de fraude à licitação, peculato, corrupção passiva, organização criminosa, ocultação de bens, crime de responsabilidade e desobediência. O prejuízo estimado, até o momento, é de R$ 15 milhões em recursos da Saúde, repassados pela União e pelo estado do Rio Grande do Sul a uma Organização Social”, comunica nota da PF.

VEJA TAMBÉM



Postado por: Joey Phillipe
Sou redator, curto a área de informática, gosto de games e esportes.