No final da tarde desta sexta-feira, 24 de abril, Jair Bolsonaro realizou um pronunciamento, no Palácio do Planalto, para tratar sobre a demissão de Sérgio Moro. Bem como sobre a exoneração do Ex-Diretor da Polícia Federal, Maurício Valeixo.

De acordo com as declarações prestada pelo presidente da república, o Ministro da Justiça até aceitaria a substituição de Valeixo do cargo na PF. No entanto, Bolsonaro deveria indicar Moro a uma vaga de ministro no Supremo Tribunal Federal- STF.  Vale lembrar, que Sérgio Moro apontou a exoneração do Ex-Diretor da PF como o principal fator para a sua demissão.


RELACIONADAS



O Ex-Ministro de Justiça também realizou um pronunciamento nesta sexta-feira, por volta das 11h, para pontuar o que havia desencadeado seu pedido de demissão. Aliás, durante suas declarações, Moro fez algumas acusações a Bolsonaro. Que em resposta, não só ao Ex-Ministro como também ao país, explanou ponto a ponto citado por Moro no discurso realizado a partir das 17h desta tarde.   

Dentre as afirmações declaradas por Sérgio Moro em seu pronunciamento estavam o fato de a substituição de Aleixo ter sido uma interferência política, além de falta de justificativa específica por parte de Bolsonaro. Bem como, que o presidente havia prometido “Carta-Branca” para o desenvolvimento dos trabalho no Ministério da Justiça, incluindo as indicações de auxiliares.

Mais sobre o pronunciamento de Bolsonaro

Bolsonaro realiza pronunciamento para esclarecer a demissão de Moro
Bolsonaro realiza pronunciamento para esclarecer a demissão de Moro – Foto: G1

O presidente Jair Bolsonaro realizou seu pronunciamento de pé e rodeado pelos ministros do governo, para esclarecer a demissão do Ministro da Justiça. Em primeiro ponto, tratou diretamente sobre Sérgio Moro: “Hoje essa pessoa vai buscar uma maneira para botar uma cunha entre eu e o povo brasileiro”. “Uma coisa é você admirar uma pessoa, outra coisa é trabalhar com ela”, declarou.

Logo após, o Presidente da República lembrou que não lhe é necessário pedir autorização para substituir alguém na pirâmide hierárquica do Executivo. Em seguida, Bolsonaro tratou sobre a Polícia Federal ter dado mais importância ao “Caso Marielle” do que ao caso em que o presidente sofreu um tentado, levando uma facada.  

Com isso, o presidente pronunciou: “A PF mais se preocupou com a Marielle do que com o seu chefe supremo. Eu acho que todas as pessoas de bem no Brasil querem saber – entendo senhor ex-ministro, entre o meu caso e o da Marielle, o meu está muito menos difícil de se solucionar”.

Dentre as declarações sobre o trabalho do Ministério da Justiça com a PF, Bolsonaro ainda afirmou: “Nunca pedi a ele o andamento de qualquer processo até porque com ele a inteligência perdeu espaço na Justiça.”

Por fim, Bolsonaro declarou que a exoneração do Ex-diretor da PF foi realizada em consenso com o próprio, através de uma ligação telefônica. Na qual Aleixo teria aceitado a exoneração “a pedido” antes que fosse publicada no Diário Oficial. Diferentemente do que havia alegado Sérgio Moro.  

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui