Escolas de SP poderão retornar as aulas presenciais a partir de outubro

As novas medidas passam a valer a partir de 8 de setembro para o estado de São Paulo. Em caso de sintomas o aluno deverá ser acompanhado remotamente.
Anderson Gomes - 02 de Setembro de 2020 às 19:34:25
Looks like you have blocked notifications!

Os novos critérios para a retomada das atividades escolares presenciais no estado foram apresentados nesta quarta-feira (2) durante uma coletiva do Governo do Estado de São Paulo. A segurança será um fator fundamental para a reabertura das escolas.

Durante a coletiva, o secretário da Educação, Rossieli Soares, explicou sobre o processo de retomada das atividades. Inicialmente, exclamou que “cuidar das pessoas” é o ponto mais importante nesse processo.


RELACIONADAS



Sobre a retomada, as escolas de regiões que estejam há 28 dias seguidos dentro da fase amarela poderão ter aulas presenciais autorizadas mediante a aprovação da gestão municipal.

Abertura das escolas dependerão dos resultados vistos ao longo de setembro
Em São Paulo, nova medida prevê retorno as aulas a partir de 8 de setembro, somente após 28 dias de fase amarela – foto: reprodução

A nova medida passa a valer a partir do próximo dia 8 em todo o estado de São Paulo e depende diretamente dos acontecimentos durante o mês de setembro, já que é necessário passar um período ainda em fase amarela.

Além disso, a ideia é opcional, pois será necessária a aprovação dos responsáveis pelos estudantes para a participação das aulas presenciais.

Ainda durante a coletiva, foi ressaltada a importância de avaliar os sintomas. Vendo que, alunos que apresentarem qualquer resquício de febre deverão permanecer em casa e assistir as aulas remotas.

Setembro Amarelo e a saúde mental em tempos de pandemia

Foi chamada a atenção para o Setembro Amarelo, mês de prevenção ao suicídio, sendo a segunda maior causa de mortes entre os jovens de 15 a 29 anos, de acordo com dados da OMS.

Desde o início da pandemia, análises mostram que a ansiedade afetou cerca de 68% dos educadores e 28% afirmam que já passaram por momento de depressão.

Do mesmo modo, dados mostram que 75% dos alunos vem passando por situações semelhantes, mostrando sinais de ansiedade, estresse ou tristeza durante a quarentena. Essa pesquisa foi realizada em junho de 2020 pelo DataFolha.

Além disso foi ressaltada uma preocupação maior com o controle emocional dos jovens, já que as últimas pesquisas realizadas pelo Conselho Nacional de Juventude (CONJUVE) mostra que 80% dos jovens concordam que o lado emocional tem sido um dos principais fatores a atrapalhar no aprendizado.

Durante a coletiva, foi dada uma maior importância para a atuação dos profissionais registrados nos Conselhos Regionais e Conselho Federal de Psicologia. Bem como, a implantação de uma plataforma eletrônica segura para gerencia e realizar atendimentos.

Alguns pontos chaves foram apresentados, tendo como base a presença de psicólogos na linha de frente:

  • apoiar os docentes no desenvolvimento de habilidades socioemocionais dos alunos;
  • ação de equipe gestora e profissionais na relação com com responsáveis e comunidade;
  • conduzir testes e ferramentas psicológicas conforme planejamento da escola;
  • atenção emergencial para diagnóstico e encaminhamento à rede protetiva.

VEJA TAMBÉM



Postado por: Anderson Gomes
Sou redator e professor de Física, curto uma boa música, games e, acima de tudo, estar com minha família.