Hacker preso por invadir celular de Moro fazia campanha para Bolsonaro

A revista Veja divulgou que o suposto hacker, preso por ter invadido os celulares de autoridades, fazia campanha para Bolsonaro. De acordo com seus familiares, ele é eleitor do nosso atual presidente e afirmam que ele não tem nenhuma ligação com os ataques.
Juliana Seixas - 26 de Julho de 2019 às 13:10:15
Looks like you have blocked notifications!

A revista Veja divulgou que o suposto hacker, preso por ter invadido os celulares de autoridades, fazia campanha para Bolsonaro. De acordo com seus familiares, ele é eleitor do nosso atual presidente e afirmam que ele não tem nenhuma ligação com os ataques.

Hacker preso pela Polícia Federal (Imagem: reprodução/Facebook)

Danilo Cristiano Marques, foi preso em Operação da Polícia Federal juntamento com mais três outros suspeitos. Amigos e parentes de Danilo acreditam que ele foi usado como “laranja” por Walter Delgatti e Gustavo Henrique Elias. Ambos são os principais suspeitos. A amizade entre o trio teria começado há 15 anos durante partidas de Counter Strike.

Suposto hacker Danilo Marques fazia campanha para Bolsonaro nas redes sociais (Imagem: reprodução/Facebook)

RELACIONADAS



A ligação entre Danilo e a invasão de celulares foi feita visto que o IP rastreado pela Polícia Federal. A mesma estava em seu nome, contudo, ele se defende e diz que apesar de a internet ter sido cadastrada por ele, quem a utilizava era Walter Delgatti.

Prisão dos hackers e invasão de celulares

Várias autoridades tiveram seus celulares invadidos por hackers, uma delas foi o presidente Jair Bolsonaro. Bem como o Ministro Sergio Moro, o procurador Deltan Dallagnol e o Ministro Paulo Guedes.

Confira a matéria sobre a prisão dos supostos hackers clicando AQUI.

Polícia federal prende suspeitos de invadir celular de Sérgio Moro (Imagem: Fernando Oliveira/PRF)

A PF deflagrou a Operação Spoofing com objetivo de prender os envolvidos. No momento, 4 pessoas se encontram presas em Brasília, entre eles três homens e uma mulher.

Os suspeitos Walter Delgatti e Gustavo Henrique ostentavam onde moravam, usando carros de luxo e postavam nas redes sociais fotos com grandes quantias de dinheiro. O Delgatti já tinha passagens pela polícia por estelionato, ele aplicava vários golpes, entre eles clonagem de cartão. Bem como, vendia ingressos falsos, passava cheque sem fundo etc.

Enquanto que Danilo Marques era motorista do aplicativo Uber, não tem passagens pela polícia e estava cursando Direito.

Ademais, leia também:

PF prende suspeitos de hackear o celular de Sérgio Moro

Polícia prende mulher que explorava sexualmente seus filhos

VEJA TAMBÉM



Postado por: Juliana Seixas
Sou Engenheira de Materiais, professora de Inglês e Francês e escrevo para o site A Folha Hoje.