Mais micróbios e menos antibióticos, crianças precisam se sujar

A sociedade moderna é composta por uma série de mudanças de hábitos que levaram a diminuição do contato à micróbios e demais exposições que fazem as crianças crescerem saudáveis.
G M Rhaekyrion - 12 de Novembro de 2019 às 11:27:38
Looks like you have blocked notifications!

A sociedade moderna é composta por uma série de mudanças de hábitos que levaram a diminuição do contato à micróbios e demais exposições que fazem as crianças crescerem saudáveis.

Siga => A Folha Hoje no Google News

Um dos maiores problemas modernos é a mania de limpeza e a reclusão em apartamentos.

Mais micróbios e menos antibióticos, crianças precisam se sujar para serem saudáveis (gianepatricia.com)

RELACIONADAS



Esse hábito de vida acaba por não permitir que o sistema imunológico (responsável pela defesa do nosso organismo) se desenvolvo com robustez.

Várias pesquisas apontam para a necessidade das crianças de se sujarem, brincarem ao ar livre, estar em contato com animais de estimação.

LEIA TAMBÉM:

+Dormir com seus gatos faz bem ou mal? Mitos e verdades.
+Lendo o comportamento dos cães pelo movimento da cauda

Pois crianças precisam de micróbios para estimular sua imunidade e conferir mais saúde em seu desenvolvimento.

E ao contrário do que pensam, impedir as crianças de andarem descalças, tocar o chão, terem animais de estimação e estarem ao ar livre, prejudica a saúde.

Mais micróbios e menos antibióticos, crianças precisam se sujar para serem saudáveis (revistacrescer.globo.com)

Levando-as a desenvolver alergias, mais sensibilidade a micróbios e doenças como viroses e gripes, além de ingerirem muitos remédios e antibióticos que são altamente prejudiciais a saúde.

Porém, isso não quer dizer que é para cortar todos os hábitos de higiene pessoal, lavar as mãos antes das refeições é essencial, mas viver as lavando já é um problema.

É o que aponta a microbiologista Marie-Claire Arrieta, coautora do livro Let Them Eat Dirt: Saving Our Children from an Oversanitized World (algo como “Deixe que comam sujeira: salvando nossos filhos de um mundo superhigienizado“).

Segundo ela, desinfetantes para mãos, sabonetes bactericidas e antibióticos estão sendo usados em excesso para proteger as crianças dos micróbios, mas estas substâncias podem fazer mais mal do que bem.

Mais micróbios e menos antibióticos, crianças precisam se sujar para serem saudáveis (notisul.com.br)

Em entrevista ao blog The Star, Marie-Claire, que atua como professora na Universidade de Calgary, explica que estuda os micróbios que vivem em nosso intestino e as pesquisas mais recentes neste campo indicam que a saúde deste bioma durante a infância é crucial para o restante de nossa vida.

A autora esclarece ainda que os micróbios são os responsáveis pelo desenvolvimento do nosso sistema imunológico – sem eles, o organismo humano não seria capaz de se defender de infecções.

Ela esclarece a possível relação entre os micróbios e o desenvolvimento de diversas condições de saúde, que englobam desde alergias até autismo, através do que tem sido chamado de “hipótese da higiene”.

A hipótese da higiene tenta explicar por que as alergias, assim como a obesidade, as doenças inflamatórias intestinais e até mesmo o autismo, são doenças em alta.

E isso não é explicado apenas pelos genes. Nossos genes simplesmente não mudam tão rápido.

Pesquisas mostram consistentemente que essas mudanças na exposição precoce de micróbios estão causando o aumento dessas doenças”, diz.

Marie-Claire oferece algumas dicas aos pais que pretendem se assegurar de que seus filhos desenvolvam os micróbios necessários à saúde.

Uma delas é deixar as crianças interagirem com animais de maneira segura – e isso vale principalmente para cachorros.

Mais micróbios e menos antibióticos, crianças precisam se sujar para serem saudáveis (msn.com)

Outra tarefa é ainda mais simples: parar de limpar tudo que a criança coloca na boca.

VEJA TAMBÉM



Postado por: G M Rhaekyrion
Escritora de ficção e fantasia, colunista de site em entretenimento, moda, saúde, beleza e bem-estar. Bióloga por formação, pela Universidade Federal de Alagoas e, eventualmente, faço criticas narratológicas para escritores de ficção.