07 de Setembro de 2019, atualizado ás 15:09

No Amapá garoto de 11 anos lê 230 livros em um ano



Por: | Notícias

Compartilhar:
         

Kauê Capiberibe, um garoto de 11 anos de idade, é homenageado em Rondônia por 230 livros em um ano.

No Amapá garoto de 11 anos ler 230 livros em um ano (g1.globo.com)

A Escola Municipal de Rondônia organizou uma homenagem ao seu aluno, Kauê Capiberibe por seu desempenho extraordinário na leitura.

O garoto de apenas 11 anos leu 230 livros em 2018, uma marca impressionante.

Na entrevista Kauê diz:

“Ler todos esses livros me trouxe muito conhecimento e sabedoria. Eu pretendo me tornar um escritor e jornalista um dia, por isso pretendo ler muito mais ainda”

Foi um dia cheio para o menino Kauê, com apresentações, poemas, entrega de medalhas e muito mais.

Escritores e poetas locais participaram do evento prestigiando as crianças e declamando poemas.

A Escola de Leitores, projeto realizado pela escola do Amapá foi o grande incentivador para que Kauê fosse estimulado a leitura.

O projeto tem como objetivo tirar o Amapá das últimas colocações do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB)

“É o momento de perceber que nós temos potencial de melhorar através da educação e do incentivo à leitura. Não queremos mais ser o último estado brasileiro na educação básica, segundo diz o IDEB”, disse a coordenadora do projeto, Mariza Pinheiro.

LEIA TAMBÉM:

Prêmio internacional da BES vai para pesquisadora brasileira Joice Ferreira

Ir à praia. Saúde para sua alma, seu corpo e sua mente

Vários professores foram homenageados e os alunos tiveram seu momento de partilhar as experiências literárias que tiveram.

É de grande importância que as escolas incentivem seus alunos, principalmente crianças, a ler e buscar conhecimento.

Em momentos difíceis como os que passamos a educação precisa ser reafirmada, mantida e estimulada. Exemplos como o de Kauê mostram que é possível, que há esperança.

“Eu fui incentivando com desafios, premiando com medalhas, fazendo certificados e os ensinando a elaborar portfólios. Não se trata de ler por ler.

A criança tem que saber contextualizar. Depois compartilhamos as experiências em sala de aula, isso ajuda na formação crítica dos alunos”, ressaltou a professora Telma Nascimento

Então além de incentivar a leitura o projeto também estimula as crianças a desenvolverem seu senso crítico.

É gratificante ver que um ensino público possui tamanho desempenho e qualidade. Nosso Brasil se mantém forte!

No Amapá garoto de 11 anos ler 230 livros em um ano (administradores.com.br)

A ideia inicial do projeto era premiar os alunos que lessem 20 livros comprovadamente, mas os professores se surpreenderam ao verificar que muitas crianças chegaram a meta de 100 livros lidos.

É um número surpreendente e com a crescente procura pela literatura e o aumento da venda de livros, podemos depositar esperanças de um futuro melhor, mais ético e mais crítico.

Então, se inspirou em Kauê? Siga o exemplo, não vai se arrepender.




G M Rhaekyrion

Escritora de ficção e fantasia, colunista de site em entretenimento, moda, saúde, beleza e bem-estar. Bióloga por formação, pela Universidade Federal de Alagoas e, eventualmente, faço criticas narratológicas para escritores de ficção.

  

0 Comentários