Crimes virtuais em Sergipe crescem mais de 600% em dois anos

Segundo Matheus Vieira os golpistas simulam até o número telefônico do banco.

Por: Fredson Navarro - Jornalista
17/06/2021 às 11:41 - atualizado em 17/06/2021 às 11:41

Compartilhe: faceboook twitter whatsapp

O volume de crimes virtuais praticados em Sergipe cresceu 665% em menos de dois anos. É o que informa a Coordenadoria de Estatística e Análise Criminal da Secretaria da Segurança Pública. Segundo os dados da SSP, de janeiro a maio de 2019 foram registrados 517 boletins de ocorrência. Já no mesmo período deste ano foram 3.436 queixas, com casos que vão desde a clonagem de cartão até roubo de dados bancários.

O gerente de Segurança da Informação e Continuidade do Banco do Estado de Sergipe (Banese), Matheus Luiz de Oliveira Vieira, informa que os golpes mais comuns envolvendo os bancos são os da falsa central telefônica (URA), falso SMS, acesso remoto ao celular ou computador do cliente, e envio de boleto falso para pagamento.

Matheus Vieira explica que as tentativas de crimes virtuais mais recorrentes contra os clientes do Banese são as duas primeiras. No golpe da falsa central telefônica o criminoso liga para o cliente passando-se por funcionário do banco, e solicita dados pessoais e bancários, como senhas ou código de liberação de dispositivo.

Algumas vezes os golpistas conseguem até simular o número telefônico da instituição bancária e, durante a conversa, para convencer a vítima, eles falam sobre transações fictícias ou premiação em supostos programas de milhagens. Porém, para efetuar o “resgate”, os criminosos pedem que o cidadão informe os dados pessoais e bancários.

“Caso o cliente receba uma ligação de alguém que se identifique como funcionário do banco e solicite estas informações, a chamada deve ser encerrada imediatamente e, a seguir, entrar em contato com os canais oficiais da instituição, por outro telefone”, orienta Matheus Vieira. O número do Serviço de Atendimento ao Cliente (SAC) do banco é o 0800 021 9013, e os do Alô Banese são 3218 2020 e 0800 2843218.

Já no golpe do SMS a vítima recebe uma mensagem de texto no celular com um aviso de que a conta será bloqueada, caso não seja realizada a atualização dos dados através do link enviado. Ao clicar no link o cliente é redirecionado para uma página falsa semelhante a do banco, onde acontece o roubo dos dados necessários para acessar a conta e realizar transações financeiras.

“É importante ressaltar que estamos falando de um problema que tem sido enfrentado por todas as instituições bancárias, não apenas pelo Banese, por isso, toda e qualquer pessoa que possua conta em banco precisa estar atenta para não cair em golpes”, alerta o gerente do Banese.

Dúvidas, critícas e sugestões? Fale com a gente
Acompanhe a Folha Hoje nas Redes! faceboook twitter youtube instagram Google News

Fredson Navarro
Fredson Navarro é jornalista, formado em 2005 pela Universidade Tiradentes. Atua no mercado sergipano há mais de 15 anos. Saiba mais sobre Fredson em seu perfil!