MPF pede retorno da vacinação de grávidas e puérperas sem comorbidades

Ação pede que imunização seja retomada em até 48 horas.

Por: Marina Fontenele - Jornalista
14/06/2021 às 17:28 - atualizado em 14/06/2021 às 17:29

Compartilhe: faceboook twitter whatsapp

O Ministério Público Federal de Sergipe (MPF/SE) pediu, nesta segunda-feira (14), o retorno urgente da vacinação de grávidas e puérperas contra a Covid-19 sem comorbidade. Em Aracaju, a vacinação por idade em pessoas sem doença pré-existente já tem calendário para até 40 anos.

A ação foi encaminhada para análise da Justiça Federal e pede que a União e o Estado de Sergipe estabeleçam, no prazo de 48 horas, a vacinação desse grupo com uso das vacinas da Sinovac/Coronavac e Pfizer/Comirnaty.

O pedido também inclui a reserva de quantitativo de doses suficientes para vacinar esse grupo prioritário e que a vacina seja administrada mediante a apresentação de documento que comprove a gravidez/estado de puerpério (exame de sangue, ultrassonografia, caderneta da gestante), independente de prescrição médica.

Suspensão

Para o MPF, o evento adverso ocorrido após a administração da vacina AstraZeneca não justifica a interrupção da imunização desse público com as demais vacinas disponíveis.

Em 7 de maio deste ano, a Fiocruz notificou a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) acerca da suspeita de grave acidente vascular cerebral hemorrágico com plaquetopenia, ocorrido em gestante, com óbito fetal, após a administração da vacina AstraZeneca. Após o ocorrido, a Anvisa recomendou ao Ministério da Saúde, como medida de precaução, que suspendesse a vacinação de grávidas com este imunizante.

Dúvidas, critícas e sugestões? Fale com a gente
Acompanhe a Folha Hoje nas Redes! faceboook twitter youtube instagram Google News

Marina Fontenele
É jornalista, graduada pela Universidade Tiradentes em 2009 e possui MBA em Comunicação. Já passou pelo G1, Jornal Cinform, Sebrae e TJSE. Saiba mais sobre Marina em seu perfil!