Pandemia aumenta número de jovens sem trabalhar nem estudar

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua verificou que a proporção de jovens de 15 a 29 anos chamados “nem-nem” atingiu o maior valor no último trimestre de 2020, alcançando quase 30%

Por: Caroline Brito - Jornalista
29/04/2021 às 10:04 - atualizado em 29/05/2021 às 18:13

Compartilhe: faceboook twitter whatsapp

Na pandemia, houve um aumento na proporção de jovens que nem trabalham nem estudam no Brasil.

O dado é da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua do IBGE, que verificou que a proporção de jovens de 15 a 29 anos chamados “nem-nem” atingiu o maior valor no último trimestre do ano passado, alcançando quase 30%.

Pode-se observar que, historicamente, os jovens têm mais dificuldades em se inserir no mercado de trabalho durante períodos de crises, como é o caso do contexto de pandemia de Covid-19 no Brasil.

Assim, muitos deles buscam alternativas no mercado informal ou simplesmente deixam de buscar uma ocupação por não terem perspectivas em relação ao mercado de trabalho.

Carteira de trabalho. Imagem: Divulgação.

Vale apontar que a taxa de desemprego no país alcançou a porcentagem de 14,1% no último trimestre de 2020, atingindo 14 milhões de pessoas, maior número desde o início da realização dessa pesquisa, em 2012.

A Pnad Contínua foi realizada em 211.344 casas em cerca de 3.500 municípios. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística considera desempregado quem não tem trabalho e procurou algum nos 30 dias anteriores à semana em que os dados foram coletados.

Para tentar frear os altos índices de desemprego, o presidente Jair Messias Bolsonaro assinou nessa semana Medida Provisória (MP) que restitui o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda (BEm), que permite a redução do salário e das jornadas de trabalho ou ainda a suspensão dos contratos de trabalho.

Dúvidas, critícas e sugestões? Fale com a gente
Acompanhe a Folha Hoje nas Redes! faceboook twitter youtube instagram Google News

Caroline Brito
Caroline Brito é jornalista, formada pela Universidade Federal do Ceará, em 2012, e mestra em Planejamento e Políticas Públicas pela UECE. Saiba mais sobre Caroline em seu perfil!