OMS: Guia atualizado estabelece critérios para reabertura de escolas

No documento, a OMS defende que a suspensão de aulas presenciais devem ocorrer apenas em locais que não tenham segurança para operar.
Joey Phillipe - 15 de Setembro de 2020 às 13:57:37
Looks like you have blocked notifications!

Nesta segunda-feira (14), a Organização Mundial da Saúde – OMS, em conjunto com o Fundo das Nações Unidas para a Infância Unicef e a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e Cultura Unesco realizaram a publicação de um Guia atualizado.

O referido documento trata sobre a reabertura das escolas e a retomada das aulas presenciais em meio a pandemia da COVID-19. Segundo o qual, apenas nos locais onde não haja segurança para operação dos procedimentos deve ocorrer a suspensão das atividades presenciais. Visto que acabam sem alternativa.


RELACIONADAS



Além disso, segundo o Portal CNN, o referido guia defende a aplicação de um plano detalhado de medidas preventivas. Para efetivação do processo de retomada. Incluindo essencialmente: distanciamento social, limitação do número de pessoas – com modificação de horários e revezamentos de turmas -.

E ainda, o uso de máscaras, estratégias de ventilação adequadas, gestão de alunos e funcionários doentes.

Assim, a OMS objetiva auxiliar na redução dos riscos de disseminação do coronavírus. Bem como, promover a garantia de que as medidas de saúde públicas e sociais, no que se refere a pandemia, também incorpore as instituições escolares, através do manual publicado.

Mais detalhes sobre a atualização do Guia da OMS
OMS: Guia atualizado estabelece critérios para reabertura de escolas – Foto: Uol Notícias

Segundo as instituições que produziram a atualização do Guia, o registro de transmissão entre crianças e funcionários em escolas é pequeno. Tendo em vista que muitas localidades realizaram o fechamento das instituições educacionais durante a pandemia.

Além disso, apontam que, de modo geral, “a maioria das evidências de países que reabriram os centros educacionais, ou nunca os fecharam, sugerem que as escolas não foram associadas a aumentos na transmissão na comunidade”.

Entretanto, vale destacar o registro de alguns casos excepcionais. Como em Israel, em que um grande surto foi desencadeado dez dias após a retomada das aulas presenciais.

Contudo, a OMS, Unesco e Unicef destacam que a decisão referente ao fechamento total, parcial ou reabertura das escolas deve considerar o nível local de transmissão da COVID-19, bem como a avaliação de risco local.

VEJA TAMBÉM



Postado por: Joey Phillipe
Sou redator, curto a área de informática, gosto de games e esportes.