09 de Novembro de 2019, atualizado ás 13:11

Protestos são planejados em 137 cidades contra a decisão do STF



Por: | Notícias

Compartilhar:
         

Nesta sexta-feira (08) o Supremo Tribunal Federal (STF) tomou a decisão pela libertação e inocência do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, que encontra-se em liberdade e discursou no mesmo dia da soltura.

SIGA => A FOLHA HOJE NO GOOGLE NEWS

Porém, diante da decisão do STF, que foi proibir prisão de réus antes de esgotados todos os recursos da defesa, que culminou na soltura do ex-presidente Lula, gerou revolta na população.

Protestos são planejados em 137 cidades contra a decisão do STF (noticias.r7.com)

Tomando a posição contra a decisão do STF alguns movimentos políticos brasileiros marcaram protestos nas ruas das principais cidades do país, datados para este sábado (09, de novembro).

O grupo Vem pra Rua divulga, em seu site, atos planejados para 137 municípios, que começam em horários que vão desde as 10h até as 18h30.

Em São Paulo, o movimento promete se concentrar na esquina da Avenida Paulista com a rua Pamplona, a partir das 16h.

No mesmo horário, será iniciado um protesto em frente ao Congresso Nacional, em Brasília.

LEIA TAMBÉM:

+LULA DEIXA PRISÃO APÓS CUMPRIR 1 ANO E 7 MESES DE PENA
+Reencontro de Lula e Dirceu depois da prisão

No Rio de Janeiro, a manifestação será realizada, a partir das 10h, na avenida Prefeito Mendes de Morais, na praia de São Conrado.

A organização do Vem pra Rua calculava mais de 375 mil convidados para as manifestações até a manhã deste sábado.

Os atos terão apoio do MBL (Movimento Brasil Livre), que deverá reunir integrantes para engrossar os protestos.

Em vídeo, o deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP), confirmou que o grupo estará nas ruas “para exigir a CPI da Lava Toga e a aprovação da PEC [Proposta de Emenda Constitucional] da prisão em segunda instância”.




G M Rhaekyrion

Escritora de ficção e fantasia, colunista de site em entretenimento, moda, saúde, beleza e bem-estar. Bióloga por formação, pela Universidade Federal de Alagoas e, eventualmente, faço criticas narratológicas para escritores de ficção.

  

0 Comentários