Vitamina D: o que é, para que serve e suas principais fontes

0

A vitamina D leva o nome de vitamina, porém na verdade é considerada um pré-hormônio, um esteroide.

Esse esteroide é sintetizado através da radiação UVB, pela penetração dos raios UVB na pele e assim há a estimulação da produção de vitamina D.

Por ser uma vitamina lipossolúvel é capaz de ser feito estoque. No organismo é estocada no fígado e ativada pelas glândulas tireóide, que produzem o paratormônio que fará a regulação de ações metabólicas e hormonais.

Estudos estimam que de 3 a 5% do código genético humano é modulado por essa vitamina, a partir disso podemos perceber o tamanho da sua importância ao organismo.

Quais os benefícios do consumo de vitamina D?

A vitamina D é fundamental no metabolismo do cálcio, pois é através dela que ocorre a absorção de cálcio no intestino.

Sendo considerada um dos hormônios mais importantes para a saúde óssea, tanto é que muitas pesquisas associam a deficiência de vitamina D ao desenvolvimento de osteoporose (perda massa óssea).

Ela também participa no controle da diabetes, porque trabalha na saúde do pâncreas, que é órgão responsável pela produção de insulina, regulando os níveis de glicose no sangue.

Controla a saúde cardiovascular, pois ajuda a reduzir os níveis de pressão arterial e o risco de hipertensão, assim como doenças cardiovasculares.

Outra função importante da vitamina D é o auxilio no ganho de massa muscular, pois ela tem impacto positivo no aumento da força de contração do músculo, através do transporte do cálcio.

Mais um benefício muito comentado por médicos e nutricionistas é sobre ela auxiliar na melhora da imunidade, porque a deficiência de vitamina D pode aumentar o desenvolvimento de doenças autoimunes.

Este último benefício ainda está sendo estudado, pois existe uma grande possibilidade da vitamina D ser um regulador natural da inibição de células tumorais.

Se apresentando como um mecanismo fisiológico do corpo, a fim de regular o crescimento de tumores dentro do organismo.

Como aumentar os estoques de vitamina D naturalmente?

A principal forma de consumo natural da vitamina D é pela dieta. Os alimentos fonte de vitamina D são:

  • Carnes
  • Peixes e frutos do mar
  • Ovo
  • Leite
  • Fígado
  • Queijos
  • Cogumelos

Contudo, levando em consideração que a dieta ocidental é pobríssima em peixes. Já conseguimos fazer relação com o alto índice de pessoas com deficiência de vitamina D.

Vitamina D ativada pelo sol.

Além da pouca exposição solar, e quando há a exposição solar é com uso de protetor solar, o que impede a formação de produção de vitamina D.

O ideal é que se tome sol sem protetor por boas áreas, como por exemplo: pernas e braços. Mas aí pode surgir outro problema, a falta de protetor solar pode ocasionar lesões na pele, como queimaduras, que são pré-cancerígenas.

Então a sugestão é que se tome sol até às 10 horas da manhã ou após as 16 horas da tarde, 30 minutos diários já são suficientes, para a manutenção da vitamina D.

Por conta de tantos detalhes para formar uma boa quantidade de vitamina D naturalmente, existem muitas pessoas que precisam fazer o uso de suplementos com vitamina D.

Fontes alimentares de vitamina D

  • Óleo de fígado de peixe;
  • Frutos de mar;
  • Leite e derivados.

Sintomas de deficiência de vitamina D

Você já parou para pensar que muitos sintomas que você sente podem estar relacionados a deficiência de vitaminas.

Os sintomas de vitamina D são:

  • Desenvolvimento de doenças com muita frequência, mostrando que sua imunidade está abalada. Vitamina D está vinculada ao sistema de defesa do corpo, nos defendendo diretamente das infecções;
  • As pessoas que possui uma Doença autoimune necessitam ter bons níveis de vitamina D, para controlar sua doença, auxiliando a entrar em remissão, ou seja, redução das crises;
  • Sensação de fadiga e cansaço, quando você tem a sensação de que dormiu e não descansou o suficiente. Cansaço frequente e diário;
  • Dor nos ossos, principalmente dor nas costas. Existe estudos que associaram que dor nas costas pode estar relacionado a deficiência de vitamina D, justamente por ela auxiliar o cálcio a se fixar nos ossos, para que assim eles fiquem fortes e saudáveis, pessoas com deficiência de vitamina D tem mais propensão de desenvolver osteoporose e osteopenia;
  • Depressão, existe uma teoria que associa a depressão com baixos níveis de vitamina D, porque ao suplementar esta vitamina há uma melhorar no quadro depressivo do paciente;
  • Dores musculares crônicas, porque existem muitos receptores de células de vitamina D em nossos músculos.

Grupo de risco

  • Obesos
  • Pessoas que têm síndrome metabólica e diabetes
  • Pessoas que possuem osteoporose
  • Idosos
  • Mulheres na menopausa ou no climatério
  • Pessoas que têm doenças autoimunes
  • Pessoas com câncer
  • Crianças e adolescentes, por estarem na fase de crescimento e desenvolvimento

Recomendação mínima diária

A recomendação mínima vai depender da faixa etária, segue abaixo a classificação:

  • Gravidez – 600 UI
  • Amamentação – 600 UI
  • Crianças entre 0 e 12 meses – 400 UI;
  • Pessoas entre 1 ano e 70 anos – 600 UI
  • Maiores de 70 anos – 800 UI

Quando devo suplementar vitamina D?

Suplementar, se necessário!

Apesar de todos os benefícios da vitamina D, não é recomendado que você use suplementação, de forma indiscriminada.

Somente após avaliação de um profissional.

Como verificar os níveis de vitamina D?

O níveis de vitamina D são verificados através de exame de sangue e a classificação é a seguinte:

  • Insuficientes – abaixo de 20 ng/mL, para pessoas saudáveis até 60 anos e entre 30 e 60 ng/mL para pessoas acima de 60 anos, mulheres grávidas ou em amamentação;
  • Ótimo – entre 30 e 60 ng/mL;
  • Acima do recomendado – 30 e 60 ng/mL;
  • Hipervitaminose – acima de 100 ng/mL.

O que acontece se consumir muita vitamina D?

Pode ocasionar sintomas como:

  • Perda do apetite;
  • Náuseas;
  • Vômitos;
  • Sede excessiva e aumento da emissão de urina;
  • Fraqueza;
  • Hipertensão arterial.

Baseado em todas essas informações, podemos concluir que a vitamina D é um importante nutriente para a manutenção da saúde óssea e imunidade, de uma forma geral.

Sua suplementação às vezes é necessária, mas somente após avaliação.

Referências:

CASTRO, Luiz Claudio Gonçalves de. O sistema endocrinológico vitamina D. Arq Bras Endocrinol Metab, vol.55, nº 8. São Paulo, 2011.

LIMA, Ana Cláudia de.  Vitamina D: importância e implicações de sua deficiência na saúde da população idosa. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE, 2016.

MARQUES, Cláudia Diniz Lopes; DANTAS, Andréa Tavares. FRAGOSO, Thiago Sotero; DUARTE, Ângela Luzia Branco Pinto.  A importância dos níveis de vitamina D nas doenças autoimunes. Rev. Bras. Reumatol. vol.50 nº 1. São Paulo, 2010.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Ao acessa-lo você concorda com nossas políticas de privacidade. Continuar Ler Política

Cookies & Políticas